O Segundo Narrador - Encontrado a Equipe: Parte 02

Atualizado: 22 de Jun de 2019


A primeira vez que vi o trabalho do Rafael Dantas eu estava fazendo o letramento de uma edição do grupo de heróis Invictos, criado pelo Rafael Tavares. Foi meu primeiro trabalho pago com letramento (até onde lembro) e eu queria fazer bonito, então passei muito tempo conversando com Tavares, tentando entender seus heróis e revendo muitas artes além das páginas que eu deveria letrar. Uma dessas, uns estudos de um garoto e um alienígena, chamaram minha atenção mais do que as páginas que eu estava letrando. Eram trabalhos do Rafa Dantas.



Não sei quem foi o primeiro a dizer isso, mas a primeira vez que li algo a respeito veio de Will Eisner:


"Os artistas possuem as identidades de seus locais de origem."

(Não foram exatamente essas as palavras, mas meu filtro pessoal prefere manter assim)


A arte do Rafael D. tem uma identidade nordestina muito forte. O contraste do preto no branco, o traçado forte, pesado, as texturas que parecem roubar um pouco do cordel… estou procurando argumentos, mas a verdade é que isso tudo é muito pessoal, muito abstrato pra justificar de forma concisa. O melhor que posso dizer é que eu sinto meu Ceará (reforço no possessivo) no desenho do Rafael e quando eu o vi a primeira vez eu imediatamente sabia que queria trabalhar com ele, que um roteiro meu deveria ter seu desenho. Eu tinha essa certeza tão forte em mim quanto eu poderia ter se eu mesmo desenhasse meu trabalho.


Mas tudo segue um caminho próprio e os planetas devem girar um bocado antes de se alinharem.


Depois d'Os Invictos, eu me tornei consideravelmente ativo na cena dos quadrinhos cearenses - falei um pouco sobre isso aqui - a ponto de chamar um pouco a atenção do próprio Dantas.


Quando fizemos nosso primeiro contato, acredito que entre meados de 2014, à época da Feira do Empreendedor, ele estava divulgando seu quadrinho, Mandacaru Vermelho, a história de um ex-soldado da Coluna Prestes em busca de vingança contra um coronel. Fiquei apaixonado pelo trabalho o que só confirmou minha primeira impressão. Melhor ainda foi o quanto nos demos bem. Rafael é um cara de gostos simples, de companhia agradável, e com um coração enorme. Você pode passar horas ouvindo ele contar suas histórias de vida e rindo tanto da narrativa quanto dos “mungangos” dele. Uma das pessoas mais sinceras e de coração leve que conheço.


Mandacaru Vermelho ganhou até um teaser. Confere dando o play aí em cima.