Livrando-se

Me livrei de umas coisas antigas minhas.

Me livrei de livros.

Desenhos.

Papéis e anotações de histórias.

Me livrei de algumas ideias e, com isso, me livrei de algumas pessoas.

(a gente pensa que se livrar de gente é algo ruim, mas não é não)

Me livrei de uns costumes e vou me livrando de outros porque se livrar é mesmo algo constante, que acaba não tendo fim quando começamos.

Só intervalos mesmo.

Mas não fiquei mais livre. Também não fiquei mais leve.

Não. Fiquei mais pesado. Coloquei outras coisas.

Porque para se livrar é preciso ter muita coisa acumulada.

Tempo. Pessoas. Experiência.

No final, a gente se livra, mas também pega outras coisas.

Porque livrar-se é dar lugar ao aprender.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Jaula